Eu não quero literatura, quero me salvar. A literatura é feita para salvar. Para salvar um amor, salvar uma saudade, salvar uma amizade, salvar uma esperança, salvar um perdão. Salvar, salvar e salvar é o mesmo que dizer: Escreva, escreva e escreva! O leitor não está sozinho quando lê exatamente o que está sentindo em meus textos. Vejo que não estou sozinho ao sentir exatamente o que o leitor sente.

Fabrício Carpinejar