Na minha terapia pessoal cotidiana, escrevo cartas para mim. Remetente e Destinatário: Eu mesma. Assunto: Lixos Emocionais e Conquistas Emocionais. Endereço: Avenida da Evolução.
CEP: Data do meu Nascimento. Beneficiado: Eu, as pessoas do meu convívio, os leitores das minhas páginas, meu Eu Lírico, meu Eu Inferior, a divindade que há em mim pedindo por mais espaço, minha presença na paisagem, a paisagem presente no meu olhar, as pessoas que carrego no peito, os poetas que eu admiro, os amigos que se enroscam na minha memória e se fazem presentes quando possível, a minha poesia, tudo e todos que me inspiram.
Não descarto os meus lixos emocionais: eles sinalizam as questões que preciso trabalhar. As conquistas emocionais eu agradeço porque elas me motivam a aumentar a minha lista de novidades.

Às vezes me fecho para um balanço e vejo o que tenho estocado dentro de mim. Têm coisas que precisam ser descartadas com urgência; outras entram em liquidação, pois podem ser aproveitadas, embora tenham perdido o valor primordial. E existem também os lançamentos: as estruturas novas, as ideias postas em ação, as idealizações que foram concretizadas. Por isso, nas sextas-feiras eu atualizo as minhas listas, escrevo no topo minhas prioridades e me felicito pelas prósperas e próximas realizações pessoais.

Conviver comigo é este investimento na minha própria existência. E a minha criatividade veio me acrescentar formas de tentar ser uma pessoa cada vez melhor: por nada, por tudo. Porque é bom estar de bem comigo.
(É preciso conhecer muito de si para entender o mundo!)

Dias lindos para nós, meus amores.
Sugiro que façam seus balanços emocionais!

Marla de Queiroz